Workshop "Subprodutos da desinfecção da água para consumo humano: estado da arte e implicações para a saúde humana"
IAREN, 13 de Julho de 2011

 
 
Contexto 
 
O tratamento e distribuição de água potável para consumo humano foi uma das maiores conquistas do século XX, e é uma condição fulcral para a qualidade de vida e prosperidade das sociedades civilizadas. Antes do tratamento sistemático da água para consumo com cloro (testada em Inglaterra em 1890 e iniciada em Chicago e Nova Jersey em 1908), a cólera, a febre tifóide, a desinteria e a hepatite A causavam a morte a milhares de pessoas. A filtração e a desinfecção com cloro permitiram eliminar praticamente estas doenças na maior parte dos países desenvolvidos, algo que ainda não foi conseguido em países desfavorecidos.
 
Os principais agentes desinfectantes usados na actualidade (cloro, dióxido de cloro, ozono, cloraminas e radiação UV) apresentam eficiências distintas mas nenhum evita a formação de uma grande número de subprodutos com propriedades nocivas para a saúde. Passados mais de 30 anos após a descoberta dos trihalometanos (THMs), em 1974, têm se registado grandes avanços no conhecimento da formação, ocorrência e efeitos dos subprodutos da desinfecção da água (DBPs) para a saúde. Conhecem-se mais de 600 destas susbtâncias, agrupadas em mais de 14 famílias químicas, algumas das quais têm propriedades mutagénicas, teratogénicas e citotóxicas conhecidas. As principais famílias conhecidas são: ácidos haloacéticos (HAAs), halonitrometanos, iodo-trihalometanos, halofuranonas (inclui o MX), haloacetonitrilos, aldeídos, halocetonas, cloropicrina e hidrato de cloral.
 
Nos Estados Unidos da América, a Agência de Protecção Ambiental (EPA) impõe a monitorização dos níveis de trihalometanos, ácidos haloacéticos, bromato e clorito nas águas tratadas enquanto que, no presente, as Directivas Europeias apenas exigem a monitorização de trihalometanos e bromato. Sendo tão vasto o número de DBPs já identificados, estão a ser desenvolvidos esforços no sentido de proceder à sua seriação considerando a perigosidade para o consumidor. Prevê-se que a revisão períodica a que as Directivas europeias são sujeitas venha a incorporar os últimos conhecimentos gerados neste domínio.
 
Duas razões principais motivaram a organização deste workshop:
- apresentar o estado da arte sobre os subprodutos de desinfecção da água e suas implicações para a saúde humana
- transmitir as tendências da política europeia e a necessidade de fazer uma caracterização dos níveis destes novos DBPs a nível nacional.
Tem sido apontado o uso de uma estratégia multi-barreira para a redução da formação de subprodutos indesejados e assegurar níveis adequados de desinfecção, na qual as entidades gestoras dos sistemas de abastecimento público devem estar empenhadas. Para abordar este tema estarão presentes 2 investigadores estrangeiros e as entidades nacionais envolvidas na produção, distribuição, regulação e controlo da qualidade da água para consumo humano.
 
 
Programa 
 

9:00-10:00 h
Recepção dos participantes
10:00-11:00 h
Sessão de abertura
Prof. Fátima Alpendurada (Presidente da Direcção do IAREN)
Prof. Paulo Gomes (Vice-Presidente da CCDR-Norte)
Eng. Carlos Duarte (Vogal da Comissão Directiva do ON.2)
Dr. Luís Simas (em representação da ERSAR)
Dr. José Manuel Rocha Nogueira (em representação da ARS-Norte)
Engº José Magalhães (Município de Vila Nova de Famalicão)
Engº Vitor Lemos (Serviços Municipalizados de Saneamento Básico de Viana do Castelo)
10:00-11:45 h
 
Prof. Maria Concetta Bruzzoniti (Universidade de Turim, Itália)
“The monitoring of disinfection by-products in drinking waters. The state-of-the art and the future challenges”
11:45-12:30 h
 
Dra. Armelle Hebert (Veolia Environment, França)
“Innovative method for prioritizing emerging DBPs in drinking water on the basis of their potential impact on public health”
12:30-14:30 h
Almoço
14:30-15:00 h
Prof. José Carlos Tentúgal Valente (Águas do Noroeste, S.A.)
"A monitorização de subprodutos de desinfecção da água para consumo humano nas Águas do Noroeste, SA"
15:00-15:30 h
Eng. Rita Reis (Águas do Douro e Paiva, S.A.)
"O controlo de subprodutos de desinfecção na rede de distribuição de água da AdDP"
15:30-16:00 h
Engº António Lisboa (Serviços Municipalizados de Saneamento Básico de Viana do Castelo)
"Monitorização e controlo de parâmetros orgânicos, induzidos pelo tratamento e distribuição, na Água de Consumo Humano, em Viana do Castelo: uma breve história e síntese de resultados"
16:00-16:15 h
Intervalo para café
16:15-16:45 h
 
Dra. Susana Pereira (MTBrandão Lda)
“Determinação dos subprodutos da desinfecção da água por cromatografia iónica com detecção por condutividade”
16:45-17:00 h
Discussão e encerramento
17:00 h
Visita guiada aos laboratórios do IAREN

 
 
Apoios
  
 
Documentos